Du cria Medalha Pedro Aleixo

Prefeito de Mariana, Duarte Eustáquio Gonçalves Junior (PPS), cria a Medalha Pedro Aleixo. Solenidade homenageia juristas e ex-ministros

A solenidade de entrega da Medalha do Mérito Jurídico Presidente Pedro Aleixo será realizada no dia 21 de outubro, sábado, às 11h, no SESI Mariana, antigo Cine Teatro Municipal. A honraria agraciará oito personalidades. A condecoração, instituída pela Lei 3.170, tem o propósito de divulgar o quase desconhecido Presidente Pedro Aleixo, marianense de boa cepa, num contexto desfavorável à cidade primaz de Minas. Mariana amarga uma crise sem precedentes com mais de 15.000 desempregados, falta d'água, um elenco de obras inacabadas sob suspeita de superfaturamento, tempo integral paralisado, queda na receita, denúncias de mau uso da máquina pública, queimadas, muita violência e um prefeito processado por abusos em campanha eleitoral.

Heloísa, Mariquita e Pedro Aleixo a caminho da posse de Castelo Branco

Pedro Aleixo nasceu em Bandeirantes, distrito de Mariana, em 1901, no local onde foi criado um memorial em sua homenagem. Foi advogado, professor, jurista, jornalista e catedrático da Faculdade de Direito da UFMG. Elegeu-se deputado estadual de 1947 até julho de 1950. Eleito novamente deputado federal em 1958 e 1962, pela UDN, destacou-se por fazer acirrada oposição aos governos de Juscelino Kubitscheck e João Goulart. Em 1966 exerceu o cargo de ministro da Educação e Cultura no governo Castelo Branco. Foi Vice-Presidente da República, ao lado do Presidente Costa e Silva, mas acabou impedido de assumir a Presidência com o falecimento do general. Pedro Aleixo faleceu no dia 3 de março de 1975.

Homenageados com a Medalha do Mérito Jurídico Presidente Pedro Aleixo:

Carlos Mário da Silva Velloso – Ex-Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), mineiro de Entre Rios de Minas;
Cármen Lúcia - Presidente do STF, mineira de Montes Claros;
Geraldo Augusto de Almeida - Primeiro Vice-Presidente do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais (TJMG), mineiro de Juiz de Fora;
Herbert José Almeida Carneiro - Presidente do TJMG, mineiro de Conceição do Mato Dentro;
Ibrahim Abi-Ackel - Ex-ministro da Justiça, pai do deputado Paulinho Abi-Ackel, mineiro de Manhumirim;
Jayme Martins de Oliveira Neto - Presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), paulista de Monte Aprazível;
Nelson Missias de Morais - Vice-Presidente da AMB, mineiro de João Pinheiro;
José Francisco Rezek - Ex-ministro do STF, colega de Roque Camêllo no curso de Direito (turma de 1965), mineiro de Cristina.

Curiosamente, o mineiro Joaquim Barbosa, ex-presidente do STF, natural de Paracatu, que cunhou a expressão "impeachment tabajara", foi deixado de fora. O desembargador do TJMG, Caetano Levy Lopes, natural de Mariana, ficou de fora. O jurista Luiz Flávio Gomes, paulista de Sud Mennucci, presidente do Instituto Avante Brasil, também ficou de fora.

Voltar